Você está aqui: Página Inicial / Projeto Amazônia SAR 2018 / Componentes do Plano de Trabalho

Geral

Componentes do Plano de Trabalho

Componentes do Plano de Trabalho

1. Infraestrutura de Recepção de Imagens de Radar Orbital

1.1 Antena (Parábola e Estrutura)

A arquitetura de recepção de imagens/dados de radar orbital contará com duas antenas multissatelitais, uma instalada em Brasília (principal) com 11,3 metros de diâmetro e outra instalada em Manaus (secundária) com 7,3 metros de diâmetro.

A antena de Brasília proverá a cobertura em tempo próximo do real para os imageamentos feitos no arco de desmatamento e a antena de Manaus terá a função de redundância para monitoramento do arco de desmatamento e de complementação de cobertura para todo bioma amazônico.

Atendendo as exigências da Legislação Ambiental, a instalação das duas antenas foi submetida ao processo de licenciamento nos Órgãos competentes, tanto em Brasília, quanto em Manaus, conforme descrição a seguir:

Antena de Brasília
Licenciamento da implantação de uma antena de rastreio e recepção multisatelital de observação de terra para recepção de dados transmitidos por satélites ópticos e de radar de abertura sintética (SAR), com recepção em bandas X, S e Ka e transmissão, em banda S, conforme Parecer Técnico SEI-GDF N°21/2017-IBRAM/PRESI/SULAM/GPREV.

Antena de Manaus
Licenciamento da implantação de uma antena de rastreio e recepção multisatelital, com 7 metros de diâmetros a ser instalada na Av. Tarumã, 1350, Tarumã – município de Manaus/AM. (Declaração de Inexigibilidade N°598/2016 – DELIC).

Foi realizado em parceria com o Comando da Aeronáutica, o processo de aquisição internacional de antenas de sensoriamento remoto no âmbito do Projeto Amazônia-SAR. A licitação foi conduzida pela Comissão Aeronáutica Brasileira (CABW) e ocorreu em Washington, DC.

O Cronograma do processo de contratação foi disponibilizado no Site (http://www.sipam.gov.br/processo-de-contratacao-de-antenas-de-sensoriamento-remoto-amazonia-sar), para dar amplo conhecimento do processo e está disposto a seguir:

 

Prazo

Data

Evento

Download

T0

18/SET/2017, 12:00 BRT

Publicação da RFI no portal do Censipam (www.sipam.gov.br) e distribuição a potenciais empresas interessadas.

Português

Inglês

T0+2 dias

20/SET/2017, 18:00 BRT

Data limite para confirmação de interesse em responder a esta RFI.

 

T0+7 dias

25/SET/2017, 18:00 BRT

Data limite para pedido de esclarecimento em relação às obrigações contratuais e requisitos técnicos, bem como para sugestão de alteração de obrigações ou requisitos técnicos.

 

T0+10 dias

28/SET/2017, 18:00 BRT

Publicação dos ajustes decorrentes dos pedidos de esclarecimentos e sugestões.

Português

Inglês

T0+11 dias

 

29/SET/2017, 18:00 BRT

Publicação da RFQ - Request for preliminary Quotation no portal do Censipam (www.sipam.gov.br) e distribuição às empresas interessadas. As alterações em relação à RFI estão destacadas, em vermelho, em todos os documentos.

Português

Inglês

Forms

Publicação da ERRATA da RFQ (Request for preliminary Quotation). As alterações em relação à RFQ estão destacadas em verde e as alterações em relação à RFI continuam destacadas em vermelho, em todos os documentos.

Português

Inglês

Forms

T0+25 dias

13/OUT/2017,18:00 BRT

Data limite para recebimento das cotações (respostas à RFQ) por parte das Participantes interessadas.

 

T0+32 dias

20/OUT/2017, 18:00

Data limite para conclusão da análise Jurídica no Brasil, últimos ajustes no Projeto Básico, Edital e Minuta de Contrato, e encaminhamento do processo para a CABW.

As alterações em relação à RFQ estão em vermelho e verde.

Ajustes finais concluídos

T0+38 dias

26/OUT/2017, 6 p.m. EDT

Conclusão da preparação do processo de licitação pela CABW.

 

 

Prazo

Data

Evento

Download

T0+39 dias

27/OUT/2017, 5 p.m. EDT

Publicação da RFP - Request for Proposal (Invitation to the bid) em jornal de grande circulação, no portal da CABW (www.cabw.org), no portal da CABE (http://www.bace.org.uk) e distribuição às empresas interessadas. Publicação, também, no portal do Censipam (www.sipam.gov.br/amazoniasar).

*** QUALQUER FORNECEDOR, MESMO AQUELES QUE NÃO TENHAM PARTICIPADO DA RFI E RFQ, PODEM RESPONDER A RFP E PARTICIPAR DA LICITAÇÃO, DESDE QUE ATENDAM A TODOS OS REQUISITOS E CONDIÇÕES DA RFP ***

Edital

Esclarecimentos

T0+70 dias

27/NOV/2017, 9 a.m. EST

Data limite para recebimento do envelope das propostas e do envelope com os documentos de habilitação por parte das Participantes interessadas.
Local de entrega: CABW - Washington, DC.

(Regras quanto à entrega, incluindo envio por serviço postal, ou entrega por representante legal, serão publicadas na RFP)

Licitação: habilitação. Local: CABW - Washington, DC.

 

T0+70 dias

27/NOV/2017, 9 a.m. EST

Licitação: abertura dos envelopes de habilitação das licitantes. Local: CABW - Washington, DC.

 

até T0+88 dias

15/DEZ/2017, 10 a.m. EST

Adjudicação e Homologação da licitante vencedora.

 

 

até T0+95 dias

22/DEZ/2017

Assinatura do Contrato.

 

 

No dia 08 de dezembro de 2017, ocorreu a sessão de abertura das propostas de preços referentes às antenas do projeto Amazônia-SAR e no dia 11 de dezembro de 2017, foi divulgado o resultado referente ao Lote 1 (antena de Brasília - ANTENNA-PRI).

A CABW republicou a licitação referente ao Lote 2 (antena de Manaus - ANTENNA-SEC), com abertura dos envelopes de habilitação e de preços no dia 18/12/2017. A publicação e os arquivos referentes à licitação foram disponíveis no site da CABW: www.cabw.org, na sessão de anúncios (Announcements).

1.2 Telemetria (Recepção de imagens)
• Contrato de Fornecimento de Imagens SAR (Synthetic Aperture Radar)

O fornecimento de Imagens SAR (Synthetic Aperture Radar) com 3-6 metros de resolução espacial, polarização simples, revisita melhor que 1 mês com entrega via operadora através de FTP/HD externo, foi iniciado a partir do Contrato N°10/2016 por meio da Licitação tipo Pregão eletrônico N°55/2015, com fornecimento de 1.537.000 km2 de imagens no valor de R$ 799.240,00.

O segundo fornecimento de imagens SAR com resolução entre 3 a 6 metros correspondentes a aquisição de 323.775,79 km2 de imagens no valor de R$ 168.363,41 e o terceiro fornecimento de imagens correspondeu a uma área de 1.036.690,78 km2 de imagens no valor de R$ 539.079,21, para atender o monitoramento sistemático nos períodos de abril-outubro/2017, foram realizados por meio do Contrato N°18/2016, ata de registro de preço 02/2016.

O consumo destas imagens permite que as quatro unidades do Censipam atendam os objetivos do Sistema, gerando alertas sobre o desmatamento na Amazônia, em tempo próximo ao real, utilizando imagens de radar orbital, principalmente durante período de outubro a abril, em que o monitoramento por meio de satélites ópticos do INPE, via DETER, fica prejudicado, devido à grande cobertura de nuvens.

A preparação para detecção semiautomática no ciclo 2017-2018 teve início em março de 2017 quando foi feita a consolidação das detecções de março a abril de 2016 (ciclo anterior) que resultou em cerca de 11.289 polígonos de desmatamento (corte raso) em uma área analisada de 1.787.790 km².

Com o andamento das etapas do fluxo operacional, foi necessário criar uma máscara inicial baseada em dados de radar a partir da qual os incrementos estão sendo mapeados, utilizou-se as imagens de radar orbital do primeiro ciclo. Essa mascara suprimiu a necessidade de uso do PRODES.

 

Incremento.PNG

Figura 1. Exemplo de uma amostra de imagem, com a máscara T0 e o incremento mapeado.

 

Para o monitoramento do ciclo atual, foram obtidos junto ao IBAMA os cenários prioritários, necessários às aquisições de imagens. No mês de outubro foram 306.394 Km2 de imagens encomendadas à Geoambiente (constelação de 4 satélites radar COSMO SkyMed).

Estas imagens chegam ao Centro de Coordenação Geral do Censipam (via ftp) e são catalogadas e automaticamente distribuídas para os analistas dos Centros Regionais de Manaus, Belém e Porto Velho.

O IBAMA acessa os alertas do Projeto Amazônia SAR via Web Feature Service (WFS), com o uso do software livre Quantum GIS e a partir do acesso aos dados de desmatamento é possível estruturar as operações de intervenção.


Figura 2. Fluxo operacional do serviço web que permite o repasse automático dos dados de desmatamento para o IBAMA.

 

O geoserviço, que confere rapidez e segurança na disponibilização dos dados, foi desenvolvido pela equipe técnica do Censipam, sob a coordenação do Centro Regional de Porto Velho.

Este ciclo está planejado para consumir cerca de 2.553.561 km2 de imagens, envolvendo 20 analistas e técnicos. Os alertas gerados nas unidades regionais passam por auditoria entre os analistas e, quando homologados, são transmitidos diretamente para o IBAMA.

Em 31 de outubro de 2017 foi celebrado entre o Censipam e a empresa Geoambiente Sensoriamento Remoto Ltda, o Primeiro Termo Aditivo ao contrato 18/2016, para prestação de serviços não continuados de fornecimento de imagem de satélite de radar de abertura sintética visando atender o Censipam.

O Primeiro Termo Aditivo tem como objeto, retificar o valor total desta contratação, passando de R$ 1.998.759,36 (Hum milhão, novecentos e noventa e oito mil, setecentos e cinquenta e nove reais e trinta e seis centavos) para R$ 2.451.875,36 (dois milhões, quatrocentos e cinquenta e um mil, oitocentos e setenta e cinco reais e trinta e seis centavos).

– Contrato do Serviço Telemetria (Recepção de Imagens)

A Telemetria é sinal enviado pelo satélite em sua passagem sobre área de cobertura do sistema antena que o recebe, contendo dados de parte ou partes da área de interesse do cliente, com as especificações (polarização, modo de imageamento, geometria de aquisição, etc) do plano de aquisição elaborado pelo mesmo.

A contratação da Telemetria deverá atender aos requisitos de geração dos alertas de desmatamento em quantidade, qualidade e temporalidade, necessárias às intervenções.

Considerando que a Infraestrutura de Recepção de Imagens de Radar Orbital estará em Brasília, no centro do País e em Manaus, poderemos ter uma cobertura que varia de acordo com as características do satélite fornecedor da telemetria.
Os principais fornecedores analisados foram:

• RADARSAT 2 – Canadá
• Cosmos SkyMed – Itália
• TerraSar-X (TanDEM-X e PAZ) – Alemanha
• Kompsat – Coreia
• Gaofen – China
• ALOS 2 – Japão

Está sendo elaborado o Termo de Referência para a contratação de serviço continuado de fornecimento de telemetria orbital e como parte deste processo foi encaminhado um questionário às operadoras/representantes acerca do serviço de telemetria.

A elaboração deste questionário teve como finalidade abordar no processo licitatório as diferentes características dos sistemas sensores SAR comerciais disponíveis e obter informações para a construção das especificações técnicas para a contratação do serviço de telemetria.

O objeto da contratação constante do Termo de Referência que está em fase de elaboração, será composto de 4 itens:

a) serviço de telemetria de imagens de satélite de radar de abertura sintética
b) uso em comodato do terminal do usuário
c) capacitação na operação do terminal do usuário
d) serviço de suporte ao objeto

Ainda está em análise sobre qual será a melhor forma de contratação do item Terminal do Usuário, que é parte necessária à execução do serviço, pois, o mesmo pode ser recebido em comodato, locado ou adquirido.

Para melhor compreensão do papel do Terminal do Usuário na contratação do serviço de Telemetria, segue a definição do mesmo:

Terminal do Usuário: conjunto de hardwares e softwares necessários para a interligação do mesmo ao sistema antena de forma que o sinal da telemetria proveniente do satélite SAR possa ser recebido, decodificado/decriptografado, processado (nos níveis de processamento constantes do catálogo de produtos/manual do usuário da operadora do satélite), catalogado e distribuído. Nele ainda, são realizadas as atividades de planejamento da aquisição das imagens, submissão do plano de aquisição à operadora do satélite e recebimento da aprovação.

Vale ressaltar, que o Terminal de Usuário de cada empresa desempenha atividades similares, mas com características técnicas distintas e, há uma parte constituinte do mesmo que é específica de cada empresa. Sem o Terminal do Usuário não há como receber a telemetria orbital. E o Terminal de Usuário de uma empresa não recebe a telemetria orbital de outra.

Considerando que o serviço de Telemetria será continuado e se o Terminal de Usuário for adquirido na forma de comodato, ao final deste contrato o equipamento será restituído integralmente ao prestador do serviço.

Ainda para contribuir com o melhor entendimento desta contratação, foram realizadas três visitas técnicas:

• Agencia Espacial Italiana (ASI), em Matera-Itália
• Estação de Recepção e Gravação (ERG) do INPE, em Cuiabá-MT;
• Divisão de Geração de Imagens (DGI) do INPE, em Cachoeira Paulista-SP.

Agência Espacial Italiana (ASI), em Matera-Itália

A visita realizada a Agencia Espacial Italiana (ASI), em junho de 2017, teve como objetivo conhecer os sistemas envolvidos nos processos de elaboração do plano de aquisição de imagens, recepção da telemetria, gravação, tratamento, processamento, armazenagem e catalogação de imagens e de outros produtos, semelhante ao que será implantado pelo Censipam, além destes visou também levantar subsídios para a especificação técnica do serviço de telemetria orbital para a recepção de imagens SAR e conhecer a arquitetura e os subsistemas envolvidos.

Na visita ao Centro Espacial de Matera foi apresentado um histórico das atividades desenvolvidas no Centro e em seguida apresentou a infraestrutura de sensores ali existentes. Estes são voltados para a área de geodésia, posicionamento, vigilância, rastreamento espacial e sensoriamento remoto.

O Centro Espacial de Matera está dividido entre a área da e-geos e ASI. Na área da e-geos são realizadas as atividades de recepção dos satélites Landsat-8, Sentinel (1A, 1B, 2A e 2B) e Radarsat-2. A constelação COSMO-SkyMed é recebida nas instalações da ASI. A operação da constelação Sentinel ocorre sob demanda da Agência Espacial Europeia (ESA).

Na área da ASI visitou-se o segmento civil para a constelação COSMO-SkyMed (Italian Civil User Ground Segment – I-CUGS). Na estação foi visitada a parte referente ao planejamento e harmonização das aquisições civis, infraestrutura de TI para armazenamento utilizando fitas LTO. O processamento local é realizado na CUT da estação (Commercial User Terminal ou COSMO-SkyMed User Terminal).

O contato com os técnicos tanto da ASI, quanto da e-GEOS foi proveitoso, uma vez que permitiu o estabelecimento de um canal técnico para a troca de informações sobre as diferentes características técnicas do serviço de telemetria.

O objetivo de conhecer os sistemas envolvidos nos processos de elaboração do plano de aquisição de imagens, recepção da telemetria, gravação, tratamento, processamento, armazenagem e catalogação de imagens e de outros produtos e a arquitetura do sistema, assim como os subsídios levantados, em muito ajudarão para a elaboração da especificação técnica do serviço de telemetria orbital para a recepção de imagens SAR.

 

Figura 3.png

Figura 3 – Centro Espacial de Matera, em amarelo a área da ASI e em verde a área da e-GEOS. Fonte: Google Earth.

 

Figura 4.png

Figura 4 – Sala de Operações da e-GEOS.

Figura 5 – (a) antena para recepção da constelação COSMO-SkyMED com 6,1 m de diâmetro e (b) Parque de antenas para a constelação.


Figura 6.png

Figura 6 – Sistema Móvel de Aquisição e Processamento. Da esquerda para o direito container para equipamentos de recepção, container para geração de energia e antena transportável montada sobre reboque com diâmetro de 4,5 m.


Estação de Recepção e Gravação (ERG) do INPE, em Cuiabá-MT e Divisão de Geração de Imagens (DGI) do INPE, em Cachoeira Paulista-SP

As duas visitas nas instalações do INPE em Cuiabá/MT e Cachoeira Paulista/SP foram realizadas com os seguintes objetivos:

• Conhecer características técnicas e operacionais da estrutura existente de recepção, processamento, catalogação, armazenamento e difusão dos dados (imagens) oriundos de sensores remotos orbitais recebidos estação de recepção do INPE;
• Conhecer características técnicas e operacionais da estrutura da estação de recepção: antenas, decodificadores/processadores, terminal do usuário de cada satélite recebido;
• Conhecer o ciclo de funcionamento da estação Terrena desde a chegada do sinal de telemetria na antena até a geração da imagem em seus diferentes níveis de processamento, catalogação e difusão;
• Conhecer como é elaborado, harmonizado, submetido e aceito o plano de aquisição;
• Conhecer características técnicas e operacionais da infraestrutura de processamento, armazenamento, difusão e backup das imagens recebidas por intermédio das estações de recepção do INPE;
• Conhecer a estrutura de operação em termos de recursos humanos, trabalhos em escala etc. nas atividades envolvidas desde a recepção até a difusão das imagens.

Na visita técnica realizada à Estação Recepção e Gravação (ERG), em Cuiabá-MT e a Divisão de Geração de Imagens (DGI), em Cachoeira Paulista-SP, unidades do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), foram apresentadas as características técnicas e operacionais da estrutura existente de recepção, processamento, catalogação, armazenamento e difusão dos dados (imagens) oriundos de sensores remotos orbitais recebidos na ERG e processados na DGI.

A finalidade foi levantar subsídios para a especificação técnica do serviço de telemetria orbital para a recepção de imagens SAR e conhecer a arquitetura e os subsistemas envolvidos.

A visita a ERG permitiu que conhecêssemos o funcionamento do processo de recepção e gravação de dados de sensores remotos orbitais ópticos, desde o rastreio até a gravação e posterior envio dos dados à DGI.

Na DGI conhecemos os processos operacionais referentes ao recebimento, processamento, controle de qualidade, catalogação e distribuição das imagens processadas.

Figura 7. Antenas a) 10m e (b) 11,28m de diâmetro. Estação de Recepção e Gravação (ERG), em Cuiabá-MT.


Figura 8.png

Figura 8. Bastidores das antenas 1 e 2 nas extremidades e dos Cortex ao centro.

Estação de Recepção e Gravação (ERG), em Cuiabá-MT.


Figura 9.png

Figura 9. Sala técnica da DGI. Divisão de Geração de Imagens (DGI), em Cachoeira Paulista-SP.


2. Capacitação

• Cursos Conceituais Sobre Radar

Para dar suporte ao uso de imagens de radar nas aplicações do Projeto Amazônia SAR, é necessário que os usuários tenham um conhecimento básico dos fundamentos que definem a formação de imagens de radar para que seja assegurado que a escolha das imagens atenda adequadamente as aplicações desejadas. Portanto, é necessário que os fundamentos básicos relacionados com a formação da imagem destacando os parâmetros de sistema que interferem na sua formação bem como as propriedades físicas do alvo que determinam a intensidade e o tipo de interação do sinal medido, sejam conhecidos por toda equipe envolvida e outros usuários, que são parceiros do Censipam. Desta forma, faz parte das ações envolvendo o projeto, a transferência do conhecimento, pois a maioria da equipe de analistas que compõem a equipe de análise tem excelente qualificação para realizar este tipo de repasse de conhecimento.

Então atualmente ainda não aconteceu a contratação deste serviço de capacitação básica, contudo no desenvolvimento das atividades ocorre na pratica o treinamento de alguns analistas que foram engajados recentemente na equipe. Com o avanço no desenvolvimento das atividades do projeto, a partir da instalação das antenas e do contrato da telemetria, haverá a necessidade da contratação do serviço para realização de cursos básicos, que permitam fornecer conhecimentos básicos, principalmente, relacionados aos procedimentos para correção radiométrica e geométricas como pré-processamentos necessários das imagens para sua interpretação, além de técnicas e classificação digital.

• Cursos Avançados - Novas Tecnologias na Aplicação de Radar

Treinamento em aplicações de Radar em Munique na Alemanha

No período de 12 a 21 de outubro um dos analistas da equipe do Amazônia SAR participou do Treinamento em aplicações de Radar na Agência Espacial Alemã (DLR) em Munique/Alemanha voltado para soluções de monitoramento do desmatamento da Amazônia, onde foram utilizados diferentes fontes de dados de radar, apresentação de metodologias e algoritmos para análise de desmatamentos, bem como apresentação e discussão do projeto TANDEM-L em parceria com a Visiona para possível aplicação do projeto Amazônia SAR.

Durante este treinamento foi possível conhecer com maior detalhe a missão TanDEM-X e a futura missão Tandem-L, suas aplicações e potencialidades e discutir futuras atividades de cooperação relacionadas aos treinamentos avançados com novas tecnologias na aplicação em Radar. A missão TanDEM-X, abriu um novo capítulo na área de sensoriamento remoto. O uso da tecnologia de radar baseada nos dois satélites (TerraSAR-X e TanDEM-X), que orbitam em formação cerrada, mapearam com micro-ondas, os 150 milhões de km2 da superfície da Terra com uniformidade inédita. A programação realizada durante o período constou dos seguintes itens:

• apresentação de palestras sobre a plataforma TanDEM-x e suas potencialidades;
• apresentações institucionais do IBAMA, CENSIPAM e VISIONA;
• apresentação do algoritmo desenvolvido pela DLR para classificação de dados TanDEM-X;
• apresentação de exemplos da classificação;
• apresentação da futura missão TanDEM-L e apresentação científica da técnica SAR THOMOGRAPHY e suas aplicações;
• elaboração de agenda para atividades integradas entre DLR, CENSIPAM, VISIONA E DLR.

Figura 10.png

Figura 10. Prédio onde estão localizadas as salas de controle de plataformas orbitais.


Com a realização dessas atividades iniciam-se as ações relativas às necessidades que deverão ser abordadas em Cursos Avançados com o uso de novas tecnologias na aplicação de Radar.

Treinamento sobre Previsão Numérica de Tempo para apoiar a identificação da ocorrência de interferência meteorológica nas imagens de Radar, em Nanquim na China

A capacitação ocorreu no período de 20 de novembro a 01 de dezembro de 2017 e os conhecimentos adquiridos serão utilizados para apoiar a identificação da ocorrência de interferência meteorológica nas imagens de Radar. Este treinamento foi realizado em Nanquim, China, pela Universidade de Ciência e Tecnologia da Informação de Nanquim (NUIST).

Definir uma metodologia adequada para realizar a verificação desta ocorrência de interferência meteorológica é uma etapa importante no fluxo operacional do processamento das imagens SAR, pois, no Ciclo 2015/2016 foram recebidas 213 imagens com algum tipo de interferência meteorológica, o que correspondeu a 4% da área total demandada e representaram 9,2% das imagens fornecidas.

 

Figura 11.png

Figura 11. Turma do Treinamento composta por Zimbabue, Senegal, Bielorússia, Indonésia, Chile, Venezuela, Paquistão e a representante do Brasil.

Figura 12.png

Figura 12. Treinamento.

- Seminários Anuais de Usuários

Nos dias 07 e 08 de novembro de 2016, foi realizado o 1º Seminário de Monitoramento Integrado com Radar Orbital, relativo às tecnologias SAR e respectivas aplicações em floresta tropical.

A realização deste evento foi toda custeada com recursos de contrapartida do Censipam, que além do evento aberto ao público, nos dois dias, também contou a reunião técnica interna, na qual os analistas tiveram a oportunidade de discutir todo o fluxo do processo metodológico implementado no projeto.

Já o 2º Seminário de Monitoramento Integrado com Radar Orbital, que aconteceu nos dias 18 e 19 de setembro de 2017 no Centro de Convenções da Polícia Rodoviária Federal - SPO, Setores Complementares, Quadra 03, Lote 05, Complexo Sede do PRF - Brasília/DF, foi custeado com recursos do projeto/BNDES.

O evento teve como objetivos fazer a divulgação dos resultados do Projeto Amazônia SAR, a implantação do SipamSAR e discutir sobre a configuração, programação, recepção, gravação, processamento, tratamento, visualização, armazenamento e catalogação dos dados provenientes da estação multissatelital que será instalada em Brasília e Manaus.

Para esta realização, foram necessárias as seguintes contratações: empresa de organização de eventos para prestação de serviço de gestão, planejamento, promoção, coordenação, operacionalização, produção e assessoria de eventos; aquisição pastas próprias para o material do evento e; passagens aéreas para analistas e palestrantes convidados.

Os custos para o evento foram distribuídos de acordo com a tabela a seguir:

Quadro 2. Aquisições para o 2º Seminário de Monitoramento Integrado com Radar Orbital

Aquisições para o 2º Seminário

Passagens aéreas

R$ 55.562,88

Pastas em couro sintético - aproveitamento da ATA de Registro de Preços N. 15/2017 ESAF

R$ 4.567,50

 

Serviços de organização do Evento – Pregão N. 00010/2017

R$ 18.273,00

Total

R$ 78.403,38


A realização do evento consumiu o total de recursos no valor de R$ 89.403,38, sendo R$ 78.403,38 oriundos da Fonte 181 (BNDES) e R$ 21.922,15 destacados da Fonte 100 (Censipam), como contrapartida.


Figura 12.1.png

Figura 12. Abertura do 2º Seminário de Monitoramento Integrado com Radar Orbital.

 

Figura 13.PNG

Figura 13. Encerramento do 2º Seminário de Monitoramento Integrado com Radar Orbital.

De modo geral, o evento foi muito bem avaliado pelos presentes. Os dados quantitativos indicam que os participantes consideraram importante a realização do evento, que os temas, a abordagem, a organização e a dinâmica deram conta do propósito e que atingiu os objetivos propostos, porém deve-se avaliar a melhoria na divulgação do próximo evento. Por outro lado, foi destacada a qualidade das palestras, consideradas produtivas e a própria realização do evento e sua organização.

O 3º Seminário de Monitoramento Integrado com Radar Orbital 2018 será realizado em Manaus/AM e atualmente está em fase de planejamento, sob a coordenação local do Centro Regional de Manaus.

3. Monitoramento Sistemático/Produção do Dado

• Licenças de Softwares

Para apoiar a Produção do Dado (polígonos de desmatamento) foi realizada a aquisição de licenças, atualização e manutenção do aplicativo especializado em processamento de imagens de radar orbital de abertura sintética, o SARScape, por meio do Contrato 27/2015 realizado na modalidade de inexigibilidade de licitação.

A entrega das licenças adquiridas dos módulos do SARScape, juntamente com as licenças atualizadas do software ENVI, dos quais o SARScape é um dos módulos ocorreu em janeiro/2016.

A partir da aquisição dessas licenças, foram realizadas as atividades de instalação das licenças nos 4 Centros. Além da adequação e ajuste final das licenças nos computadores dos servidores de cada Centro, foi realizado também, o repasse de conhecimento sobre os scripts em linguagem IDL, para a criação de cadeias semiautomáticas de processamento das imagens SAR. Essa atividade foi executada de maneira descentralizada em cada um dos Centros.

O serviço de integração e ativação das licenças dos módulos SARScape nos 4 Centros foi realizado com a finalidade de integrar as licenças e repassar os conhecimentos sobre o acoplamento entre os módulos e seu funcionamento.

Esta atividade contou com a participação de técnicos da Empresa Suíça SARMAP desenvolvedora dos módulos do SARScape e um dos resultados obtidos foi a proposta de metodologia de processamento das imagens SAR. Essa proposta de cadeia de processamento foi discutida com técnicos da SulSoft e da SARMAP.

Em abril de 2016 a SulSoft iniciou o levantamento de dados para o desenvolvimento dos scripts de processamento das imagens SAR. Em setembro/2016 foram iniciados os testes com os scripts que apresentaram um erro de parametrização, o qual foi identificado e corrigido manualmente pelo Censipam. A correção deste erro e a implementação de novas funcionalidades foram solicitadas à Sulsoft, visando a realização de atualizações no Banco de dados indice_imagens, compactação de dados entre outras, para os processamentos do segundo ciclo 2016/2017.

Atualmente, os recursos do projeto estão sendo utilizados para pagamento da atualização e manutenção das licenças (suporte técnico) referente ao período de um ano (18/12/2016 até 17/12/2017).

O aplicativo de processamento de imagens de radar, SARScape, é a principal ferramenta para execução do tratamento dos dados recebidos em nível primário até o nível de maior valor agregado, portanto o acompanhamento e suporte técnico é inerente ao desenvolvimento das atividades do projeto Amazônia SAR no desempenho esperado para as metas físicas pactuadas.

4. Monitoramento Sistemático/Automatização

• Serviços Técnicos Especializados

Os Serviços Técnicos Especializados compõem um suporte técnico que servirão de apoio à equipe de analistas do Censipam encarregadas de gerar os produtos advindos dos dados e imagens de satélite radar. Estes serviços deverão garantir suporte na aquisição, tratamento e análise de dados e métodos correntes em nível adequado às necessidades do Projeto Amazônia SAR. Eles compreenderão o fornecimento de um conjunto de aplicativos que auxiliarão as atividades referentes ao SipamSAR.

A contratação dos Serviços Técnicos Especializados deve envolver postos, processos e produtos nas áreas técnicas e operacionais de Brasília e dos Centros Regionais.

7 – GRAU DE EXECUÇÃO DO PROJETO

7.1- Execução financeira do projeto

O grau de execução financeira do Projeto Amazônia SAR está em 61%, conforme os valores recebidos até dezembro de 2017 e representados nas Figuras 14 e 15.


Figura 14.png

Figure 14 – Percentual de aplicação dos recursos.

 

 

Figura 15.PNG

Figure 15 - Valores recebidos até dezembro de 2017.


8 – INDICADORES

O indicador que está sendo utilizado no Projeto Amazônia SAR até o momento é:

Figura 16.PNG


Sendo que:

AMZSAR: é o indicador de execução física do projeto do Amazônia SAR;
L: é o valor liquidado nas aquisições bens e serviços;
O total : é o orçamento total estabelecido no contrato do projeto Amazônia SAR.

Para melhor acompanhar as iniciativas e atividades do projeto Amazônia SAR, formulou-se uma proposta para alterar o indicador de execução física de finalidade quanto maior melhor em percentual, o qual é dado por:

Figura 17.PNG


Sendo que:

AMZSAR: é o indicador de execução física do projeto do Amazônia SAR;

AMp: é a área monitorada parcial;

AMf: é a área monitorada final definida nas metas;

𝐶𝑆𝐴𝑅𝑝: é o número parcial de pessoas capacitadas em radar de abertura sintética;

𝐶𝑆𝐴𝑅𝑓: é o número de pessoas capacitadas em radar de abertura sintética definido nas metas;

𝐶𝐻𝑆𝐴𝑅𝑝: é a carga horária parcial ministrada em radar de abertura sintética;

𝐶𝐻𝑆𝐴𝑅𝑓: é a carga horária ministrada em radar de abertura sintética definida nas metas;

𝐼𝐸𝐿𝑝: é a infraestrutura liquidada parcial;

𝐼𝐸𝑇𝑓: é a infraestrutura total final;

 

9 – METAS FÍSICAS E ORÇAMENTÁRIAS

As metas físicas do Projeto Amazônia SAR que tiveram atualizações estão relacionadas no Quadro 3:

Quadro 3 - Metas físicas do projeto Amazônia SAR com atualização para o ano de 2017.

Objetivos Específicos:

1.1 CENSIPAM estruturado no monitoramento com radar orbital gerando alertas de desmatamento

2.1 Tecnologias voltadas para o processamento de imagens por radar desenvolvidas

Indicador

Definição

Linha de Base

Meta

Frequência

Responsável

Em:

2017

N° de indivíduos envolvidos nos alertas

Indivíduos na produção do alerta

10

30

Mesma do ReD

+ 2 anos

CENSIPAM

18

Produto: 1.1.2. Aquisição de imagens de radar orbital

Indicador

Definição

Linha de Base

Meta

Frequência

Responsável

Em:

2017

Área abrangida pelas imagens adquiridas

Área abrangida

(km2)

245000

950000

Mesma do ReD

CENSIPAM

557204

Indicador Gerencial

Indicador

Definição

Linha

de Base

Meta

Frequência

Responsável

Em:

2017

Nº de mulheres em cargo de coordenação e total

Mulheres em cargo de coordenação

4

8

Mesma do ReD

CENSIPAM

4

 

As metas orçamentárias do Projeto Amazônia SAR advêm do quadro de usos e fontes detalhado no qual os itens de bens e serviços que tiveram atualizações constam no Quadro 4:

Quadro 4 - Metas orçamentárias do Projeto Amazônia SAR realizadas no ano de 2017 constantes do quadro de usos e fontes detalhado firmado no plano de trabalho com o BNDES.

Componente

Ultimo Orçamento Jul/2015

Período

Total Realizado

A realizar

1. Infraestrutura de Recepção e Armazenagem

R$ 54.654.603,00

31/12/2017

R$ 33.964.879,18

R$ 20.689.723,82

2. Capacitação

R$ 1.020.289,00

31/12/2017

R$ 78.373,85

R$ 941.915,15

3. 1 Monitoramento Sistemático/Produção do Dado

R$ 6.066.134,00

31/12/2017

R$ 4.828.757,69

R$ 1.237.376,31

3.2 Monitoramento Sistemático/Automatização

R$ 2.182.600,00

31/12/2017

R$ 0,0

R$ 2.182.600,00

Total de Usos e Fontes

Orçamento Aprovado

Período

Total Liberado

Saldo

R$ 63.923.626

2015 - 2017

R$ 38.872.010,73

25051615.27

Considerando as ações realizadas no período de 2015-2017, identificou-se a necessidade de apresentar uma proposta de atualização do Quadro de Usos e Fontes Detalhado e do Plano de Trabalho. Essas alterações podem ser observadas:

• no processo de aquisição do aplicativo especializado de processamento de imagens SAR que inclui manutenção e atualização durante todo o período do projeto;

• no preço de referência obtido no processo licitatório de R$ 0,52 km2 para fornecimento de imagens SAR que corresponde ao pregão eletrônico n° 55/2015;

• na necessidade de aquisição das antenas multissatelitais por meio de licitação internacional, o qual contempla os bens e serviços de fornecimento exclusivo internacional, com o apoio da equipe técnica da Força Aérea Brasileira no processo de licitação e importação, e

• na quantidade de cursos planejados.

 

As atividades realizadas no Projeto Amazônia SAR advêm do cronograma físico elaborado no Plano de Trabalho firmado com o BNDES, as atualizações das atividades constam no Quadro 6:

Quadro 6 - Cronograma físico do Projeto Amazônia SAR executado no ano de 2016.

Produto/Serviço

Previsto/

Realizado

Duração Meses

 

 

2° semestre

2015

1° semestre

2016

2° semestre

2016

1° semestre

2017

2° semestre

2017

1. Infraestrutura de

Recepção e Armazenagem

Previsto

x

x

x

x

 

Realizado

 

 

 

 

x

1.4 Telemetria

(Recepção de Imagens)

Previsto

x

x

x

x

 

Realizado

 

 

x

x

x

2. Capacitação

Previsto

 

 

x

 

x

Realizado

 

 

 

X

X

3. Produção do Dado

Previsto

x

x

x

x

x

Realizado

 

 

x

x

x

3.4 Atividade - Software

Previsto

 

x

x

x

x

Realizado

x

x

x

 

 

 

O cronograma físico do Projeto Amazônia SAR sofreu alterações em função de:

• mudanças na composição da equipe de servidores lotados nas Diretoria de Produtos, Diretoria Técnica e Diretoria Administrativa, estas responsáveis pelas instruções de processos licitatórios;
• ocorrências de recursos, interposições, questionamentos e sugestões nos processos licitatórios e na audiência pública; e,
• mudanças na estratégia de aquisição de antena multissatelital.

10– CONCLUSÃO

Com o início oficial do projeto Amazônia SAR em 20 de julho de 2015, houve a necessidade de recomposição da força de trabalho da DIPRO, e atrasos no início das instruções de processos de contração, projetos básicos, acordos e termos de referência.

A partir da realização das atividades, observou-se a necessidade de alterações no Plano de Trabalho com o BNDES. São elas: aquisição do aplicativo especializado em processamento de imagens SAR, imagens SAR, antena multissatelital e capacitação.

O projeto Amazônia SAR obteve um grau de execução financeira de 61% até o final de 2017.