Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Sipam divulga dados do desmatamento em áreas indígenas e de conservação mato-grossenses

Notícia

Sipam divulga dados do desmatamento em áreas indígenas e de conservação mato-grossenses

{mosimage} O relatório 2010 do Programa de Monitoramento de Áreas Especiais (ProAE), que delimita áreas de desmatamento em terras indígenas e unidades de conservação, foi entregue pelo Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam) a órgãos públicos mato-grossenses, durante a última semana.

Em reuniões com autoridades federais e estaduais, o gerente regional do Sipam, José Neumar da Silveira, apresentou os dados obtidos na análise de imagens de satélite, que poderão dar origem a fiscalizações. A intenção do órgão, ligado à Casa Civil da Presidência da República, é subsidiar seus parceiros com informações que facilitem o combate aos crimes ambientais nessas áreas, criadas justamente para resguardar o meio ambiente. “Nesses encontros foi possível identificar que o trabalho em conjunto tem dado resultado. Ações do Ministério Público Federal, autuações feitas pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente e fiscalizações que resultaram na descoberta de garimpos pela Fundação Nacional do Índio são exemplos disso”, explica Neumar.

Áreas protegidas tiveram 683 mil hectares desmatados

Baseado nas imagens obtidas no segundo semestre de 2009, o relatório aponta que 683 mil hectares já foram desmatados dentro dos 19 milhões de hectares de áreas especiais do estado. Terras Indígenas, com 317,2 mil hectares desmatados, e Unidades de Conservação Estaduais, com  315,3 mil hectares desflorestados, dividem os índices mais graves, sendo o restante atribuído às Unidades Federais (49,7 mil hectares) e às Reservas Particulares do Patrimônio Natural (1.041 hectares).

Até o ano passado, as Unidades de Conservação Estaduais já tinham perdido 12% de sua cobertura vegetal. Todas as unidades existentes já sofreram algum dano, com excessão da Estação Ecológica (ESEC) Rio Madeirinha, em Colniza.  Entretanto, a Área de Proteção Ambiental (APA) Cabeceiras do Rio Cuiabá, localizada no centro-sul do estado, é responsável por grande parte desse total e se destaca negativamente, com mais de 104 mil hectares desmatados.

Nos 13 milhões de hectares de Terras Indígenas (TI), 2,34% foram impactados. As TI Jarudore, no município de Poxoréo, e Maraiwatsede, no leste mato-grossense, encontram-se na situação mais delicada, com 73% e 45% de suas áreas desmatadas, respectivamente. Dentre as sete Unidades de Conservação Federais, a APA Meandros do Rio Araguaia, localizada nos municípios de Cocalinho e Novo Santo Antônio, é responsável por mais de 80% do desmatamento. Com 39,8 mil hectares desflorestados, a APA já perdeu 11% de sua cobertura. Já a Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Sesc Pantanal, em Barão de Melgaço, tem desmatados 1.014 hectares de sua área.

Assessoria de Comunicação Social do Sipam
Telefone: (61) 3214 0257 e (61) 3214 0296
e-mail: comunicacaosocial@sipam.gov.br