Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Sipam alerta para calor recorde e atraso no retorno das chuvas

Notícia

Sipam alerta para calor recorde e atraso no retorno das chuvas

Porto Velho (11/08/2011) - A forte massa de ar seco que atua sobre boa parte do país causou situação extrema de calor e baixa umidade na tarde da última quarta-feira (10) em Porto Velho. A estação meteorológica do aeroporto da capital registrou 38,7°C e umidade relativa mínima de 10%, valores não observados há pelo menos 15 anos. A baixa umidade colocou o município em situação de emergência e fez com que o Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam) emitisse alerta meteorológico para as autoridades.

Nesta quinta, a umidade mínima ainda foi baixa, chegando a 19%, e a previsão é de que os valores continuem abaixo de 20% por, pelo menos, mais uma semana. A situação favorece a disseminação de focos de fogo, por isso, a população deve evitar queimadas que, mesmo em pequenas proporções, contribuem para a poluição do ar. Além de fazer mal à saúde, a fumaça aumenta a sensação térmica, tornando o dia ainda mais quente.
Temperaturas acima da média

Normalmente agosto é o mês mais quente do ano, entretanto, segundo Luiz Alves, meteorologista do Centro Regional do Sipam em Porto Velho, o verão amazônico de 2011 tem registrado temperaturas acima da média e poucas friagens significativas em Rondônia. Foram apenas três, em maio, junho e julho. A tendência ainda continua neste trimestre (agosto, setembro e outubro) para todo o estado.

Assim como em 2010, as chuvas também devem demorar a acontecer neste ano, somente ocorrendo regularmente a partir de outubro. O estado registrará déficit de pluviosidade, sobretudo no centro-norte de Rondônia. “Os oceanos Atlântico tropical norte e sul estão mais quentes do que o normal, o que fortalece a massa de ar seco sobre o Brasil e dificulta a formação de nuvens de chuva em Rondônia”, explica o meteorologista.

A similaridade dos padrões meteorológicos deste ano com os registrados no ano passado alertam, mais uma vez, para os focos de calor, que podem atingir novamente altos índices.

Assessoria de Comunicação Social
Ministério da Defesa
(61) 3312 4070