Você está aqui: Página Inicial / Notícias / Impacto das hidrelétricas no rio Madeira é monitorado pelo Sipam

Notícia

Impacto das hidrelétricas no rio Madeira é monitorado pelo Sipam

Ana Cristina Strava do Sipam, coleta dados do Rio Madeira O Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam), vinculado à Casa Civil da Presidência da República, está coletando semanalmente dados sobre a turbidez do rio Madeira. O objetivo é monitorar os possíveis impactos que a construção das hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau possam trazer ao ecossistema do rio. Analisar a turbidez significa medir a resistência da água à passagem da luz e, assim, identificar a quantidade de sedimentos suspensos. Tais sedimentos são tão importantes para o rio que foram um dos principais itens debatidos desde os projetos das usinas. Isso porque o Madeira transporta muitos sedimentos vindos dos Andes e que acabam sendo responsáveis por quase 50% da turbidez das águas na foz do rio Amazonas.

Técnicos e ambientalistas questionaram se o imenso volume de sedimentos poderia acabar retido nos reservatórios, num processo de decantação que impediria a passagem de água pelas turbinas e aumentaria a área alagada. Segundo Ana Cristina Strava, coordenadora de operações do Centro Regional do Sipam de Porto Velho, os sedimentos também são importantes para a sobrevivência de espécies no rio. "Sedimentos em suspensão transportam a alimentação dos peixes, portanto, alterações podem afetar o equilíbrio da ictiofauna", explica.

A simples presença das barragens já poderia trazer impactos, já que somente um rio com energia, ou seja, com águas correndo, pode carregar partículas. Entretanto, o estudo de impactos ambientais prevê que alterações ocorram somente no início e aposta que após um período de tempo haverá a recomposição do rio, a níveis iguais aos de hoje.

Trabalho interinstitucional

Para analisar essas alterações, o Sipam iniciou a coleta dados utilizando sonda cedida pela Agência Nacional de Águas (ANA). Conectado ao computador, o equipamento transmite os índices de turbidez, que são registrados por acadêmicos de engenharia da Faculdade de Ciências Humanas, Exatas e Letras de Rondônia (FARO). "Gosto da área e tenho satisfação em contribuir para análise do impacto das usinas a longo prazo", diz o estudante Felipe Archanjo. Os primeiros resultados, referentes à cheia, foram objeto de estudo do aluno Matheus Moura, que aponta que a turbidez triplicou entre novembro e dezembro e se manteve nesse nível até inicio de março. O projeto, já aprovado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), pretende gerar informações por cerca de cinco anos, comparando os índices no decorrer do tempo.

Assessoria de Comunicação Social do Sipam
Telefone: (61) 3214-0257
e-mail: comunicacaosocial@sipam.gov.br