Você está aqui: Página Inicial / Na Amazônia, Ministro Jaques Wagner conhece o trabalho do Censipam

Notícia

Na Amazônia, Ministro Jaques Wagner conhece o trabalho do Censipam

Acompanhado do diretor-geral Rogério Guedes, Wagner viu de perto o trabalho de sensoriamento remoto para detectar desmatamento e pista de pouso clandestina.

 O ministro da Defesa, Jaques Wagner, visitou o Centro Regional do Censipam em Manaus (AM) na última terça-feira (3), acompanhado do diretor-geral, Rogério Guedes.  No prédio, recebeu informações sobre o trabalho desenvolvido pelos técnicos do órgão e viu de perto imagens de satélite e radar que monitoram, por exemplo, o desmatamento da Amazônia, pista de pouso clandestina, garimpo ilegal. Já os meteorologistas explicaram como monitoram o tempo e o clima na Amazônia,repassando as informações às Defesas Civis. O Censipam faz parte do Ministério da Defesa desde 2011.

Também soube dos projetos realizados em conjunto com países da União das Nações Sul-Americanas (Unasul) e as demais tecnologias usadas para sensoriamento remoto, detecção de pistas de pouso clandestinas e entrada de aeronaves suspeitas na região. Wagner ressaltou a importância de conhecer o trabalho pessoalmente. A visita ainda foi acompanhada da secretária-geral da Defesa, Eva Chiavon, e do comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas.

O ministro visitou, na manhã desta quarta-feira (4), o 5º Pelotão Especial de Fronteira (PEF), localizado no distrito de Maturacá – distante 150 km de São Gabriel da Cachoeira (AM). No local, 66 militares atuam na proteção das fronteiras brasileiras com a Colômbia e Venezuela. Ao todo, o Exército Brasileiro possui sete PEF espalhados pelo estado amazônico. Lá, Wagner disse que “É motivo de emoção pisar em solo tão distante dos grandes centros e capitais”.

Inóspito e com acesso apenas fluvial e aéreo, o pelotão é o único ponto de apoio da população indígena e ribeirinha. Tem como missão, também, a integração com a comunidade Ianomâmi. Jaques Wagner enfrentou uma maratona de deslocamentos para chegar até o PEF.

“Agradeço, em nome do povo brasileiro, pela decisão do comandante do PEF e de sua esposa em ficar mais um ano aqui. Somente aqueles que são apaixonados pela pátria é que conseguem entender o trabalho de manutenção da soberania na fronteira”, enfatizou o ministro, referindo-se ao tenente Júlio César de Souza Nunes, 28 anos, e Daniele de Freitas Ferreira, 29.

A frente do pelotão Maturacá desde novembro de 2013, o tenente Júlio César afirmou que o auxílio da Força Terrestre na localidade é fundamental. “Podem ter certeza de que a região está muito bem assegurada por nós.” O oficial permanecerá até o final de 2015.

Na manhã desta quarta, o ministro Jaques Wagner foi recebido no Destacamento Aéreo de São Gabriel da Cachoeira. De lá, partiu para o PEF, onde assistiu a formatura. Na ocasião, foi entoada a Oração do Guerreiro de Selva e o soldado Vilela, de etnia indígena, saldou os presentes em linguagem Ianomâmi.  “É motivo de emoção pisar em solo tão distante dos grandes centros e capitais”, salientou Wagner.

Tecnologia

O comandante militar da Amazônia, general Guilherme Cals Theóphilo, lembrou que o Censipam é responsável pelo fornecimento de estrutura de comunicação para o 5º pelotão especial, com antena de comunicação via satélite. “A comunicação que funciona aqui é a por rádio”, completou.

Sobre isso, o ministro da Defesa alertou que o Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteias (Sisfron), projeto estratégico da Força Terrestre, vai aprimorar as comunicações nas regiões mais isoladas. “Temos R$ 10 bilhões em orçamento do Sisfron para usar em dez anos. São 17 mil km de fronteira que receberão o sistema”, afirmou.

Wagner ressaltou, ainda, que “o Sisfron é o caminho para guarnecer a fronteira. Ele é importante, também, em termos de combate ao descaminho e contrabando. Não há como o Exército ficar de fora dessa missão de guarnecer com tecnologia de ponta.”

Em conversa com a imprensa, o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, projetou que a implementação do Sisfron em Rondônia deve acontecer entre o final deste ano e o início de 2016 como projeto-piloto.

Com informações do Ministério da Defesa