Você está aqui: Página Inicial / Ministro do STF conhece projetos do Censipam

Notícia

Ministro do STF conhece projetos do Censipam

Ministro Luís Roberto Barroso conheceu projetos e sistemas para proteção e desenvolvimento sustentável da Amazônia

Por Willian Cavalcanti

Ministro do STF conheceu projetos do Censipam

Ministro do STF conheceu projetos do Censipam

Brasília, 11/02/2020 – O ministro do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso, conheceu nesta segunda-feira (10/2) os principais projetos e sistemas conduzidos pelo Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam) para o desenvolvimento da região amazônica.

O diretor-geral, José Hugo Volkmer, apresentou ao ministro o conceito operacional do Censipam, que busca a integração de dados para geração de produtos para monitoramento do desmatamento, de eventos extremos e de ilícitos na região.

Volkmer destacou que é preciso a sinergia de ações para buscar o desenvolvimento sustentável da Amazônia. “O Censipam é um órgão facilitador, que fornece informações e participa da coordenação das ações para atuação conjunta dos diversos órgãos do Estado”, explicou.

O diretor apresentou os sistemas utilizados para combate ao desmatamento. “Como a Amazônia fica sob nuvens durante oito meses do ano, utilizamos o satélite com radar de abertura sintética (SAR), pois ele é capaz de captar imagens através das nuvens, o que não é possível com os satélites óticos”, expôs o diretor.

O secretário-geral do Ministério da Defesa, Almirante de Esquadra Almir Garnier, afirmou que o país precisa atribuir competências sobre a ocupação do território amazônico. “Um passo importante que devemos tomar é qualificar e quantificar o desmatamento e definir responsabilidades”, disse o secretário-geral.

Para o ministro Barroso, o Brasil precisa desenvolver projetos visando a uma economia sustentável, que explore as riquezas naturais da floresta. “O mundo inteiro está de olho no que fazemos com a Amazônia e estão dispostos a financiar projetos que explorem e preservem a floresta. Precisamos ter as ideias certas para receber os recursos adequados”, afirmou o ministro.