Você está aqui: Página Inicial / Matérias publicadas 2020 / Subcomissão de Integração de Sistemas do Conselho da Amazônia define ações prioritárias

Notícia

Subcomissão de Integração de Sistemas do Conselho da Amazônia define ações prioritárias

Membros de oito ministérios se reuniram para definir ações prioritárias para integração de sistemas visando a proteção e desenvolvimento da Amazônia

Por Willian Cavalcanti

Membros da Subcomissão de Integração participaram de reunião por videoconferência

Membros da Subcomissão de Integração participaram de reunião por videoconferência

Brasília, 28/04/2020 – Membros da Subcomissão de Integração de Sistemas do Conselho da Amazônia participaram nesta segunda-feira (27/4), por videoconferência, da primeira reunião do grupo para definição de ações prioritárias visando a proteção, preservação e desenvolvimento da Amazônia Legal brasileira.

O objetivo da subcomissão é promover a integração de sistemas de monitoramento territorial, de alertas inteligentes e outras bases de dados. A intenção é criar metodologias unificadas para detecção de desmatamento, queimadas e outras práticas ilegais.

Liderada pelo Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam), órgão do Ministério da Defesa, a Subcomissão de Integração de Sistemas conta com representantes da Vice-Presidência da República, Gabinete de Segurança Institucional e dos Ministérios do Meio Ambiente; Justiça; Minas e Energia; Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações; e Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Cada ministério deverá indicar um representante para participar de um grupo multidisciplinar que deverá integrar as informações produzidas por cada órgão. Sediado no Censipam, esse grupo vai realizar o cruzamento de dados que subsidiarão a tomada de decisões para combate a ilícitos na Amazônia Legal.

O diretor-geral do Censipam, José Hugo Volkmer, ressaltou a importância da presença de um representante de cada órgão para desenvolvimento de um trabalho conjunto. “Considerando a diversidade de cenários em uma região complexa como a Amazônia, o agrupamento de todas as informações disponíveis é essencial para aumentar a eficiência do Estado na região e atender aos interesses da sociedade”, disse.