Você está aqui: Página Inicial / Matérias publicadas 2020 / Censipam e Serviço Florestal Brasileiro buscam acordo de cooperação

Notícia

Censipam e Serviço Florestal Brasileiro buscam acordo de cooperação

A intenção é que o Serviço Florestal Brasileiro utilize ferramenta desenvolvida pelo Censipam para monitorar contratos de manejo de florestas públicas

Por Willian Cavalcanti

Diretoria do SFB visitou Censipam

Diretoria do SFB visitou Censipam

Brasília, 17/01/2020 – A diretoria do Serviço Florestal Brasileiro (SFB) conheceu, nesta quinta-feira (16/1), em Brasília (DF), projetos desenvolvidos pelo Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam) visando ao desenvolvimento sustentável da Amazônia.

O diretor-geral do SFB, Valdir Colatto, órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, e membros da diretoria conheceram as ferramentas desenvolvidas pelo Censipam para monitorar o desmatamento na Amazônia.

Em 2018, o Censipam validou metodologia inédita no mundo para detecção automática da extração seletiva de madeira por meio de imagens de radar de abertura sintética (SAR). O teste de campo foi realizado em área de exploração legal de madeira concedida pelo SFB por meio de licitação.

Utilizando imagens de alta resolução, a metodologia é capaz de identificar pequenos distúrbios na floresta e mostrar a extração de cada árvore individualmente. Desde 2019, o Censipam está fazendo novos testes com a constelação de microssatélites da empresa finlandesa ICEYE.

A intenção é que o SFB utilize a ferramenta para monitorar contratos de concessão de Florestas Nacionais. Para o Serviço Florestal, será possível verificar se o concessionário está realizando o manejo dentro dos limites da autorização e identificar eventuais invasões nas áreas de florestas públicas.

O diretor-geral do Censipam, José Hugo Volkmer, reforçou a necessidade de concretização de acordo de cooperação técnica para dar prosseguimento à parceria entre as instituições. “Estamos à disposição para atender o Serviço Florestal no que precisarem”, afirmou.

“Precisamos de insumos e dados que vocês produzem para realizar nossas análises e definir questões importantes sobre a reforma territorial no país”, disse o diretor-geral do SFB.