Você está aqui: Página Inicial / Matérias publicadas 2020 / Censipam e CPRM reforçam parceria para monitoramento de rios da Amazônia

Notícia

Censipam e CPRM reforçam parceria para monitoramento de rios da Amazônia

Censipam e Serviço Geológico do Brasil (CPRM) aprimoraram o Boletim Semanal de Monitoramento das Cheias Bacia do Rio Madeira

Por Willian Cavalcanti

Censipam é parceiro do CPRM no monitoramento de rios da Amazônia

Censipam é parceiro do CPRM no monitoramento de rios da Amazônia

Manaus, 27/04/2020 – O Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam) e o Serviço Geológico do Brasil (CPRM) desenvolveram parceria para aprimorar o monitoramento das condições hidrometeorológicas nos grandes rios da Amazônia. O Boletim Semanal de Monitoramento das Cheias Bacia do Rio Madeira vai apresentar informações mais relevantes sobre as condições de precipitação na bacia do Rio Madeira e seus principais tributários.

Com dados quantitativos e qualitativos, insumos para análise e formulação de melhores prognósticos da bacia, espera-se maior precisão nas previsões sobre cheia e estiagem no rio Madeira. O 15º Informe de Previsão e Monitoramento de Cheias na bacia do Rio Madeira divulgado no último dia 17 já contou com os dados do Centro Regional do Censipam em Manaus (CR-MN).

A parceria entre Censipam e CPRM vem de longa data, principalmente no monitoramento e previsão de cheias para Manaus, nas bacias do rio Negro, Solimões e Amazonas. De acordo com o meteorologista do Censipam, Renato Senna, o Censipam vai gerar informações de monitoramento e previsão climatológicas semanalmente para os boletins do Sistema de Alerta Hidrológico do Madeira. Os dados quantitativos de chuva são obtidos por satélites e poderão ser utilizados nas modelagens da bacia.

“A colaboração mútua permite às duas instituições levar conhecimento e informações precisas às populações e autoridades da região, promovendo segurança e desenvolvimento”, disse o meteorologista do CR-MN.

A Bolívia é o território que mais contribui para a formação das cheias em Porto Velho (RO) e sofre impacto da chuva na Cordilheira dos Andes. “As estimativas por satélite suprem uma carência que impossibilitava usar modelos mais quantitativos baseados em estimativas precisas de chuva no rio Madeira, cuja bacia possui mais de um milhão de quilômetros quadrados”, pontuou o engenheiro hidrólogo da CPRM, Marcus Suassuna.

Monitoramento do Rio Madeira
O monitoramento e previsão do rio Madeira é realizado nas épocas de cheia e seca desde 2014. Durante a estação de cheia, são enviados boletins semanais e, caso o rio suba além da cota de alerta, a frequência de envio dos boletins aumenta.

A operação tem continuidade durante a época da seca, de agosto a novembro. Os principais usuários são os órgãos de Defesa Civil da região. Na seca, o principal usuário das informações é o setor da navegação, já que a hidrovia do rio Madeira é uma das principais do país.

*Com informações do Serviço Geológico do Brasil