Você está aqui: Página Inicial / Instituto Pandiá busca parceria com o Censipam

Notícia

Instituto Pandiá busca parceria com o Censipam

Órgão promove o diálogo estimulando a produção de conhecimento sobre temas relacionados à defesa

Por Willian Cavalcanti

Representantes do Instituto Pandiá conheceram trabalho do Censipam

Representantes do Instituto Pandiá conheceram trabalho do Censipam

Brasília, 16/10/2018 – O Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam) recebeu nesta terça-feira (16/10), em Brasília (DF), representantes do Instituto Pandiá Calógeras (IPC), órgão do Ministério da Defesa (MD) que atua promovendo o diálogo com a comunidade acadêmica para a produção de conhecimento sobre temas relacionados à defesa nacional.

O Instituto Pandiá presta assistência direta ao ministro da Defesa, oferecendo assessoramento estratégico, embasado em altos estudos e ampla participação acadêmica, institucional e social. O instituto produz análises e contribui para aproximar a relação entre civis e militares.

O diretor-geral do Censipam, Rogério Guedes, apresentou ações e projetos desenvolvidos, com destaque para o projetos Cartografia da Amazônia, Amazônia SAR e os sistemas SipamSAR e SipamHidro.

“A metodologia desenvolvida pelo Censipam com o uso de imagens SAR é o que há de mais moderno no mundo para a detecção de corte seletivo de árvores”, afirmou Edileuza de Melo, coordenadora-geral de operações do Censipam.

A assessora de Integração Institucional, Shirley dos Santos, apresentou o termo de execução descentralizada (TED) firmado entre o Censipam e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). São 16 bolsas para projetos de pesquisa aplicada que colaboram no desenvolvimento do trabalho do Censipam. O TED foi assinado em 2017 e tem vigência de oito anos, com bolsas entre 1.100 e 4 mil reais.

“Mestres, doutores e especialistas do Censipam orientam pesquisas em seis áreas temáticas: monitoramento ambiental, territorial e temático, inteligência tecnológica, tecnologia da informação, governança e gestão”, explicou Shirley.

“Estamos reformulando os processos do Pandiá. Queremos aperfeiçoar a interlocução com a academia, facilitando contatos para atender demandas da Defesa. Vocês são um caso de sucesso. É um trabalho bem-feito, que todos conhecem. Estamos começando e procuramos nos espelhar em quem sabe fazer direito”, afirmou o diretor do Instituto Pandiá, Joanisval Brito.

O chefe de gabinete do instituto, Ricardo Pereira, propôs uma nova visita para aprimorar parcerias institucionais e acadêmicas. “Queremos aprender como sãos os processos do Censipam. A intenção é implementar projetos de pesquisa acadêmica em benefício de todos os órgãos do MD”, afirmou Ricardo.

“O Censipam atua fazendo a ponte entre o MD e diversos órgãos civis. Nossa experiência vem se desenvolvendo ao longo dos anos. A proposta é sistematizar cada vez mais as ações e avançar sempre. A pesquisa sempre vai ser uma ferramenta importante para o Censipam”, afirmou Rogério Guedes.

Instituto Pandiá Calógeras
O nome do Instituto é uma homenagem ao engenheiro e político carioca João Pandiá Calógeras, primeiro civil a exercer o cargo de Ministro da Guerra na história republicana, no governo de Epitácio Pessoa. Personalizou a aproximação entre civis e militares, que hoje é crucial para a consolidação do setor de defesa no país.